O Programa Vida no Trânsito (PVT), coordenado no Brasil pelo Ministério da Saúde e global pela Organização Mundial de Saúde, apoiado por parceiros nacionais e internacionais, tem foco na redução das mortes e lesões graves no trânsito a partir da qualificação da informação, de ações planejadas, desenvolvidas e executadas intersetorialmente e na ênfase em dois fatores de risco: direção sob efeito de bebida alcoólica e velocidade excessiva, além de outros, a depender das particularidades locais.

No Programa Vida no Trânsito, as ações são voltadas à redução da morbimortalidade no trânsito e envolvem a interação de órgão gestores dos setores de saúde, trânsito, transporte e segurança pública, mas também, em diferentes níveis, as áreas de educação, comunicação, planejamento, ministérios públicos, conselhos comunitários, entidades corporativas e outros segmentos da sociedade. Esse projeto foi iniciado em 2010 em 10 países, dentre eles, o Brasil, que teve como piloto cinco capitais, Teresina, Palmas, Campo Grande, Belo Horizonte e Curitiba, escolhidas pelo alto índice de acidentes e mortes no trânsito.

Em Teresina, o Programa Vida no Trânsito é coordenado pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito – STRANS, em parceria com a Fundação Municipal de Saúde – FMS, e órgãos que fazem parte do Sistema Nacional de Trânsito, dentre outros. Para que os resultados sejam alcançados, foram criadas: Comissão Municipal Intersetorial e Interinstitucional de Segurança no Trânsito, Comissão de Análise de Dados e Comissão de Análise de Acidentes, as quais auxiliam os órgãos no planejamento, execução e monitoramento das ações e resultados alcançados.

A Comissão Municipal Intersetorial e Interinstitucional de Segurança no Trânsito é composta por órgãos do Sistema Nacional de Trânsito, instituições públicas e privadas, conselhos, universidades, dentre outros, os quais se reúnem mensalmente para planejar, executar e monitorar as ações voltadas para a educação, engenharia e fiscalização de trânsito com o objetivo de reduzir e estabilizar os acidentes e mortes no trânsito. Para direcionar essas ações, o PVT conta com um relatório de vítimas de acidentes de trânsito ocorridos em Teresina, que contém informações detalhadas a respeito da vítima (idade, sexo, meio de locomoção, tipo de vítima), assim como também informações a respeito do acidente (a outra parte envolvida, horário, local, dia da semana, dentre outros). O relatório é produzido pela Comissão de Dados, composta por técnicos do Núcleo de Vigilância de Violências e Acidentes – NUVIVA da Fundação Municipal de Saúde – FMS.

O PVT conta também com uma Comissão de Análise de Acidentes, na qual participam órgãos que atuam na cena do acidente: Instituto de Criminalística, Companhia Independente de Policiamento de Trânsito – CIPTRAN, Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual – BPRE, Polícia Rodoviária Federal – PRF, Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito – STRANS, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU e a Fundação Municipal de Saúde – FMS, que participam de reuniões semanais, nas quais são analisados casos de acidentes com vítimas fatais com o intuito de verificar os fatores e condutas de risco que levaram àquele acidente. Diante dos resultados alcançados através das análises dos acidentes, a Fundação Municipal de Saúde – FMS, produz um relatório de Análise de Acidentes, mostrando os fatores e condutas de risco identificados no casos analisados, que juntamente com as informações do relatório de vítimas de acidentes, direcionam a Comissão Intersetorial e Interinstitucional de Segurança no Trânsito no planejamento de ações com o objetivo de diminuir e estabilizar os números de acidentes e mortes no trânsito.